Notícias

3

Oficiais de justiça da Capital e cidades que integram a região metropolitana da Grande João Pessoa decidiram cumprir apenas 18 dos mandados recebidos por mês, oriundos da assistência judiciária gratuita, Fazenda Federal e Ministério Público. Essa quantidade equivale à atual indenização das diligências feita pelo Tribunal de Justiça, de R$ 636,47. Os excedentes – excluídos aqueles que não acarretem perecimento de direito – deverão ser devolvidos à Central de Mandados e separados em cópias certificadas, para posterior ação de cobrança

A deliberação, tomada à unanimidade pelos presentes à assembleia geral extraordinária promovida pelo Sindicato dos Oficiais de Justiça da Paraíba no auditório do Fórum Criminal de João Pessoa, acompanha tendência já manifestada durante reuniões realizadas pelo interior do estado: o cumprimento da Resolução n. 153 do CNJ, que assegura o pagamento antecipado das diligências nas referidas ações.

Segundo o presidente do Sindojus, Antônio Carlos Santiago, outras assembleias regionais acontecerão até o próximo dia 24 nas cidades-polo de Cajazeiras, Patos e Campina Grande, no sentido de ampliar a discussão sobre o tema e sobretudo, legitimar e implementar essa e outras medidas, a partir de 1º de novembro em todas as Comarcas. “Há colegas cumprindo até 600 mandados por mês, sendo ressarcidos por apenas 18 e custeando o resto com o próprio salário, de natureza alimentar, num comprometimento tal que chegou ao insuportável”, afirmou.

Problema urgente

Ele destacou ainda a necessidade urgente da resolução do problema,  diante da negativa pelo governo do estado de incremento à proposta orçamentária apresentada pelo TJ e do  do prazo final para apresentações de emendas junto à Assembleia Legislativa. “Até o dia 24 esperamos que haja uma definição quanto ao cumprimento da citada decisão do CNJ – o que já deveria vir ocorrendo desde julho do ano passado – objeto, inclusive, de reiterados apelos através de processos administrativos nesse sentido”, lembrou.

Por fim, o diretor-jurídico da entidade, Francisco Norberto, demonstrou a segurança jurídica da medida, que será previamente aos  os órgãos ligados diretamente ao TJ, a exemplo do Ministério Público, Defensoria Pública, Procuradoria Geral do Estado, OAB, o próprio TJ e o CNJ. “Para agravar ainda mais a situação, juízes começaram a isentar órgãos do pagamento dessas diligências, como ocorreu na Comarca de Sousa, por pedido da Procuradoria Federal, transferindo uma responsabilidade ao Oficial de Justiça que não é dele”, concluiu.

[nggallery id=9]

Comentários ( 3 )

  • Candido Nóbrega
    Gildásio Pinheiro says:

    Chega de pagar para trabalhar! A Lei existe e é para ser cumprida…. Quando o Oficial de justiça passar a devolver os mandados por falta de pagamento antecipado das diligencias ( condição necessária para o desenvolvimento do nosso mister) o TJ/PB perceberá a importância do MEIRINHO nesta engrenagem toda. Avante! Grande abraço em todos ……

  • Candido Nóbrega
    Robério Firmino da Silva says:

    O que me deixa triste é que, com relação a Resolução do CNJ, que disciplinou o atual horário de funcionameto do TJPB, aumentando em uma hora a jornada de trabalho para todos os servidores, o cumprimento da Resolução foi em tempo recorde, já com relação a Resolução 153, do mesmo CNJ, que desde de julho de 2012 está em vigor, ainda não foi cumprida.

  • Candido Nóbrega
    DINO says:

    Os oficiais de Justiça de Mato Grosso fizeram a devolução dos mandados que excediam o valor da IT, o juiz diretor do Foro de Cuiabá ameaçou os oficiais de justiça, mas o CNJ reconheceu o direito dos oficiais de Justiça, anulando decisão do diretor do foro. Decisão de ontem (22/10).

    Leiam no link:
    http://infojusbrasil.blogspot.com.br/2013/10/cnj.html

The comments are now closed.